segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Entrevista com o escritor Marcelino Taveira da Silva

1 - Você escolheu a escrita ou foi ela quem te escolheu?

É bem curioso pensar nisso! Quando eu levo em consideração todas aquelas tentativas de escrever, de produzir algum texto literário, poético, artístico, nos meus doze anos de idade, acabo acreditando que a escrita me escolheu. Depois de um certo tempo, vamos aperfeiçoando a nossa produção textual. Isso é fato! Mas acho que a nossa vontade de criar algo interessante para o leitor acaba por demonstrar que a arte nos busca incessantemente.

2 - Qual é a sua dica para quem está no início do caminho literário?

Não perder uma vírgula sequer de inspiração. Às vezes, deixamos uma frase pra ser lembrada mais tarde, acreditando que ela será uma parte integrante de um futuro texto. O dia passa, e a frase se perde no nosso conturbado cotidiano. Então, a primeira coisa a se fazer, no meu entendimento, é ser responsável com nossas próprias ideias e inspirações. Segundo, aprender a aceitar as críticas. Por vezes, pensamos que nosso texto é lindo! Algo até normal. Mas é preciso sempre aperfeiçoar. E esse aperfeiçoamento só vem em nossa direção, quando somos responsáveis com a opinião alheia. Talento, criatividade, sorte, networking, tudo isso também contribui, enormemente, para a carreira literária de qualquer artista das letras.

3 - Qual fonte de informação você lê praticamente todos os dias?

Diariamente, a internet, os sites de notícias.

4 - Num panorama geral, o que acha dos grupos literários do Facebook?

Os grupos literários do Facebook são fundamentais. Isso porque a divulgação de trabalhos literários é fundamental para um autor. Esse mecanismo contribui muito para que os leitores conheçam os novos autores e para que os próprios autores conheçam os trabalhos dos outros autores. Isso é solo fértil para movimento literário no Brasil. Não se deve tão somente considerar a livraria como o lugar exclusivo da divulgação, comercialização, incubadora de novos títulos literários. O Facebook é uma ferramenta poderosa em toda e qualquer divulgação. Isso é notório!

5 - Na sua opinião, quais são as vantagens do livro físico? E do livro virtual (e-book)?

Nós ainda somos apegados ao livro físico. Talvez seja necessária uma análise filosófica sobre a questão. Todavia, sim, amamos o livro físico, seu cheiro e sua textura. Acontece que há toda uma geração que não tem a mínima noção do que era rebobinar uma fita k7 utilizando uma caneta Bic. Muitos nunca utilizaram uma calculadora portátil, pois sempre usaram a do celular. Um mundo sem internet, para essa geração que menciono, não faz o menor sentido. Então, para vários leitores, é bem melhor fazer uso do e-book. E concordo plenamente! O mais importante de tudo, sem dúvida alguma, é a leitura, é o ato de ler, é o hábito de ler, é o prazer da leitura.

6 - Qual blog ou fanpage do meio literário você indica?

Indico o MarcelinoTaveira.blogspot.com, o meu blog (risos). Existem vários blogs literários excelentes. Vou cometer várias injustiças aqui. Gosto bastante do Clube de Leitores (blogclubedeleitores.com), do Margens Literárias (gloriazevedo.wordpress.com). Adoro o Legião dos Escritores (legiaodosescritores.blogspot.com.br). Indico muito o site Recanto das Letras (recantodasletras.com.br). Sempre acompanho os projetos de ilustres colegas como: Rô Mierling, Neyd Montingelli, Josenilson Leite (O Poeta de Garanhuns), Léa Ferro. Acompanho os lançamentos das editoras Illuminare, Futurama, Darda, Vozes. E indico a todos que queiram conhecer mais sobre a atualidade artística o grupo "Artistas diVERSOS trabalhando", no Facebook. Vale muito a pena conhecer e participar.

7 - Como soube do Projeto Author? E porque decidiu participar?

Soube do Projeto Author através do Facebook. Decidi participar porque acreditei que o projeto é bastante responsável com o conteúdo dos autores. Creio que o projeto irá expandir ainda mais. Torço por isso! Quero muito agradecer à nossa caríssima amiga Caroline. Ela tem realizado um trabalho maravilhoso. Os bons frutos estão demonstrados.


terça-feira, 18 de julho de 2017

Entrevista com o escritor Sérgio Rosman

1 - Você escolheu a escrita ou foi ela quem te escolheu?
Creio que foi como uma espécie de "amor à primeira vista". Encontrei um livro, deixado no piso da sala da casa de um vizinho que estava se mudando. Eu o li e fiquei "viciado" em leitura de livros. O livro é "O Tronco do Ipê", de José de Alencar.

2 - Qual é a sua dica para quem está no início do caminho literário?
Costumo dizer que "É lendo que se escreve". Comece escrevendo contos curtos. À medida que for se habituando a escrever, vá aumentando "a dosagem". Escreva, então, seu primeiro livro. Mas não se empolgue muito. Eu, por exemplo, escrevi meu primeiro livro (Nossa Senhora dos Pinhais), no ano de 1973. E só consegui publicá-lo em 2010 e, assim mesmo, por demanda. A edição já está esgotada. Penso em republicá-lo. 

3 - Qual fonte de informação você lê praticamente todos os dias?
Jornais. Mas também leio sobre curiosidades históricas.

4 - Num panorama geral, o que acha dos grupos literários do Facebook?
Acho sensacional. São conhecimentos que se multiplicam quando são divididos.

5 - Na sua opinião, quais são as vantagens do livro físico? E do livro virtual (e-book)?
O livro físico pode ser lido em qualquer lugar, pode ser manuseado, sem falar no prazer de virar as páginas. As vantagens do e-book são os preços baixos, além do fato de não ocupar espaços nas estantes e podem ser comprados sem que os leitores precisem pagar pelas despesas dos Correios (quando as compras são feitas pela Internet).

6 - Qual blog ou fanpage do meio literário você indica?
https://www.facebook.com/faccilith
https://www.facebook.com/projetoauthor/